Painel 4– O comércio com o Oriente e sua importância na Europa.

A consequência imediata da queda de Roma foi administrativa e ocorreu como um colapso em todo o Império. Imagine o caos.Todas as instituições que faziam com que o Império Romano funcionasse – leis, exército, segurança, edifícios, aquedutos, estradas, serviços médicos, de correios e tantos outros - entraram em colapso.

Roupas da Idade Média_BDWebB
Roupas da Idade Média_BDWebB

Idade média e suas datas-limite

Consideramos que todo o período chamado genericamente de Idade Média tem como datas-limite:

  1. 476 d.C – Queda do Império Romano, tomada por bárbaros germânicos;
  2. 1.453 d.C – Queda da cidade de Constantinopla, tomada pelos turcos otomanos.

 

Divisão da Idade Média – Século V ao século XIII

 

  1. Alta Idade Média – Século V ao século IX.

  • Século V – Queda de Roma.

  • Século IX – Início da Renascença Carolíngia.

 

  1. Baixa Idade Média

  • Século IX – Renascença Carolíngia

  • Século XIII – Declínio do feudalismo e início da Renascença.

 

  1. Fase de transição para a Idade Moderna

  • Século XIII – Declínio do Feudalismo

  • Século XVI – Idade Moderna.

Tópico 1 - As conseqüências da queda de Roma.

Bárbaros Visigodos_Século V d.C_BDWebB
Bárbaros Visigodos_Século V d.C_BDWebB

 

Vida e segurança imediatamente afetadas

A segurança mais básica dos cidadãos, seu padrão mínimo de sobrevivência, foi afetada.

Sair para as imediações da cidade para coleta de alimentos ou qualquer outra atividade se tornou uma ação de alto risco, podendo haver roubos, estupros, mortes e até casos de canibalismo são relatados neste período, quando havia fome, peste ou miséria muito acentuadas.

 

Movimentos dos povos bárbaros ao invadir o Império Romano no século V d.C.

Invasões bárbaras na Europa após a queda de Roma_BDWebB
Invasões bárbaras na Europa após a queda de Roma_BDWebB

Entre o século V d.C. (queda de Roma) e o século IX (Império de Carlos Magno), o sonho de um império romano reconstituído esteve sempre presente, e a questão fundamental de todos os atores sociais da época foi:

Igreja Católica Sarajevo_BDWebB
Igreja Católica Sarajevo_BDWebB

Como organizar o caos e a busca ao poder imperial de Roma

 

Pouco a pouco, políticas empreendidas pela Igreja Católica foiram tomando forma:

  • Crescimento do poder pontifical;
  • com a submissão dos bispos italianos ao poder do Papa;
  • com a conversão de grupos bárbaros ao cristianismo;
  • com as alianças entre o papado e os diversos pequenos reinos, ducados, condados e demais pequenos estados então constituídos;
  • finalizando com a aliança entre o papa e Carlos Magno, o poder imperial de Roma passa às mãos da Igreja Católica. 
Império de Carlos Magno -Século X_BDWebB
Império de Carlos Magno -Século X_BDWebB

A importância de Carlos Magno

Com o estabelecimento do protetorado carolíngio sobre a Itália, em 800, finaliza-se a primeira fase da Idade Média – a Alta Idade Média – que vai de 476 até 800 d.C.

Tópico 2 - Renascimento do comércio ao final da Idade Média

O Renascimento do comércio na Europa, a partir do século XII, cada vez mais se intensificou. Isto trouxe inúmeras modificações sociais, políticas e econômicas na Europa. Novas oportunidades comerciais eram dia a dia identificadas, as cruzadas desvendaram um mundo novo a ser conquistado: o Oriente.

Estrutura social Idade Média/Idade Moderna_BDKEdit
Estrutura social Idade Média/Idade Moderna_BDKEdit

As novas práticas na economia

Nos séculos XII e XIII, (1101/1200 e 1201/1300) este processo de renascimento do comércio fez com que alguns instrumentos e práticas fossem desenvolvidos:

a) reaparecimento de moeda, bancos e instrumentos de crédito;

b) intensificação das feiras e mercados;

c) desenvolvimento de novas rotas comerciais.

 

As novas oportunidades de riquezas comerciais e a demanda aos produtos agrícolas fizeram com que muitos servos se tornassem homens livres, na medida em que faltavam servos para a mão de obra no campo.

Vamos analisar os fatores modificam relações de trabalho, de produção e de ordenamento jurídico e apressaram o fim do sistema feudal.

Tecnologia de Guerra e o final do  feudalismo_BDWebB
Tecnologia de Guerra e o final do feudalismo_BDWebB

 

A decadência do Poder Feudal

O sistema feudal, baseado na terra, começava a dar sinais de decadência:

  • Modo próprio de vida - Os homens livres, antigos camponeses servos e vilões, começam a ter um modo próprio de vida nas cidades, baseado no comércio livre em feiras.

 

  • Deslocamento do poder político - O poder político e econômico se desloca do castelo do senhor feudal e passa a residir também nas cidades, onde novas atividades surgem, e para onde migram os servos que fugiam dos campos.

 

  • Ampliação da fronteira agrícola - Para atender à demanda de alimentos há ainda a abertura de novas terras para cultivo, por desmatamento de florestas ou drenagem de pântanos e novos trabalhadores são necessários, tendo-se que pagar por eles em forma de salários.

 

  • Arrendamento de terras - Posteriormente, a carência de recursos dos nobres feudais fez com que arrendassem terras a comerciantes que empregavam antigos camponeses ou servos da gleba fugidos como mão de obra assalariada.

 

  • A Peste Negra - no século XIV, fez com que menos camponeses estivessem disponíveis para o cultivo, havendo uma tendência a libertar os camponeses para que se conseguissem pessoas no trabalho.

Um novo mundo se descortina, fruto das navegações portuguesas e espanholas.

Tópico 3 - O início da economia de mercado e o renascimento urbano

O final do feudalismo ficou caracterizado por diversas causas – políticas, sociais e de uso de técnicas de produção agrícola e guerreira – já descritas. Todas estas causas produziram como efeito maior alimentação disponível e aumento inevitável de população.

Esquema de cidade medieval_BDWebB
Esquema de cidade medieval_BDWebB

O Renascimento Urbano

Com o renascimento comercial e o expansionismo das cruzadas dos séculos XII a XIII, deu-se o renascimento urbano.

 

A prosperidade e o crescimento das cidades em função de seu comércio, das manufaturas nascentes e do incremento das rotas de comércio caracterizaram este período.

 

Pouco a pouco, as cidades compraram à nobreza feudal o seu direito de autonomia, libertando-se da tutela dos senhores feudais.

Constantinopla _ A porta para o Oriente_BDWebB
Constantinopla _ A porta para o Oriente_BDWebB

 

Reconstituição da Europa e busca às novas rotas comerciais

 

Os séculos XIV e XV ainda viram o esgotamento das minas de ouro e prata da Europa e, com falta de metais preciosos, uma drástica redução na cunhagem de moedas, as transações comerciais foram muito afetadas.

 

Outros fatores conjugados:

>  A falta de metais preciosos;

> o movimento de reconstituição comercial da Europa, em busca de novos mercados e novos recursos para sua produção;

>  a fragilidade evidente do feudalismo, nos meados do século XV, fez com que os europeus buscassem novas rotas comerciais para suprir os mercados dos produtos monopolizados, em termos de comércio:

          >> por Constantinopla – grande centro comercial entre o     Oriente e o Mediterrâneo – e seus parceiros, as cidades italianas, que detinham o monopólio da distribuição dos produtos orientais na Europa.

         >> contornando a África -  como fizeram os portugueses.

Tópico 4 - A queda de Constantinopla: o marco do fim da Idade Média

Como podemos entender, também a Igreja católica atuava como um senhor feudal, sendo preponderante seu papel no campo em mosteiros e político seu domínio nas cidades, nos bispados e paróquias.

Cruzadas no Oriente_BDWebB
Cruzadas no Oriente_BDWebB

O papel da Igreja Católica e o Feudalismo.

 

> A preservação do conhecimento do Império Romano

Durante todo o período da Alta Idade Média, foi nos mosteiros, perdidos entre campos e montanhas da Europa, que um pouco do conhecimento da civilização de Roma foi guardado ou mesmo gestado.

 

> As novas técnicas de agricultura

Os monges perceberam novas técnicas em agricultura, criaram novos arados, passaram a utilizá-los em animais e começaram a ter um novo manejo da terra diferenciado e mais eficaz.

 

> Excedentes de produção e melhoria da qualidade de vida

Estas descobertas geraram um excedente em produção que facilitou melhores condições alimentação e, por conseqüência, de saúde, maior aumento populacional.

 

> Pressão demográfica e patrocínio das Cruzadas

Esta pressão demográfica, aliada a outros fatores políticos e religiosos, se constituiu no movimento das cruzadas européias.

 

>  Objetivo das Cruzadas

Seu objetivo mais básico foi expansionista, isto é, voltou-se para a conquista de novos feudos no Oriente, na Terra Santa, na busca de metais preciosos e de conquistas a novas terras e riquezas.

Constantinopla: o marco do final da Idade Média

Entrada de Cruzados em Constantinopla_BDWebB
Entrada de Cruzados em Constantinopla_BDWebB

Que representava Constantinopla para a Europa da Idade Média?

Neste sentido, a queda de Constantinopla, tomada pelos turcos-otomanos em 1453, uma cidade-chave aonde chegavam as caravanas provenientes do Oriente e de onde saíam os navios abarrotados de mercadorias para o comércio das cidades litorâneas da Europa, é o marco do final da Idade Média.

 

O início da Idade Moderna

A expansão marítima, a unificação política em torno das idéias de nações e a busca a novas rotas marítimas dos portugueses, espanhóis, franceses, ingleses e holandeses, viria a marcar a Modernidade e a formação das monarquias nacionais, encerrando a fragmentação territorial feudal e sua descentralização de poder político.

Exercício-Modelo 4

 

Se considerarmos a Igreja católica como um senhor feudal, quais seus interesses no processo expansionista das Cruzadas? Pesquise e envie sua resposta ao Professor por e-mail.

Entrar em Exercício-Painel 4


               Retornar à Área de Testes.