Painel 2 - Idade Média, cavalaria e vassalagem

Entre os séculos III e V d.C., o Império Romano pouco a pouco se desintegrava.  

...Atacado constantemente em suas fronteiras por bárbaros, cada vez mais sequiosos dos restos de suas riquezas e de ostentar o pretenso poder que o título “Imperador do Ocidente” sugeria, o Império Romano (753 a.C. até 476 d.C.) dava seus últimos passos. 

A rendição de Rômulo Augústulo_BDWebB
A rendição de Rômulo Augústulo_BDWebB

Introdução

A partir de lutas políticas internas, este título foi conferido pela última vez , em 476, a Rômulo Augústulo, último imperador do Império Romano do Ocidente, deposto neste ano por um chefe bárbaro germânico de nome Odoacro.

 

As lutas pelo poder da Roma decaída

Assumindo Odoacro em 476, é intitulado “Rei de Roma”, vindo a ser derrotado em Ravenna por Teodorico, um chefe ostrogodo, apoiado pelo Imperador do Oriente, Zenão, e pela Igreja Romana, única instituição organizada que se mantinha poderosa nestes tempos tumultuados, em 494.

Ruínas do Coliseu_Roma_BDWebB
Ruínas do Coliseu_Roma_BDWebB

A Ascensão Política da Igreja Católica

Após a morte de Teodorico I, não mais o Império Romano, mas os escombros do qaue fora o Império Romano se situava nos territórios do que fora Roma.

 

No meio do caos, cresce o poder da Igreja Católica

Esta situação aprofunda a decadência da Europa e de seus sucessores em todos os lugares da Europa.

 

Pouco a pouco, face à contínua fragmentação que se instaura, cresce o poder político da Igreja Católica, única entidade organizada neste período, capaz de manter traços civilizatórios entre os povos, caracterizando-se o início da Alta Idade Média por alguns fatores:

Igreja medieval dos primeiros tempos_BDWebB
Igreja medieval dos primeiros tempos_BDWebB

Retorno ao barbarismo

  1. Fragmentação política e volta ao barbarismo -  de toda a sociedade até então civilizada pelos romanos na Europa.

  2. Influência da cultura germânica - já que os bárbaros eram, em sua maioria visigodos.

  3. Baixa atividade econômica -  uma vez que, sem a organização administrativa, judiciária e de segurança que eram proporcionadas pela máquina administrativa romana, as cidades e regiões deixaram de produzir e entraram em decadência.

  4. Fortalecimento do poder da Igreja Romana -  como a única instituição que mantinha algum tipo de organização neste período tumultuado.

  5. Reinstauração e adaptação ao ideário cristão das bases clássicas originárias da cultura romana pela elite cristã - como um padrão estético e ideológico que aparece nas obras de arte do Renascimento.

  6. Reconstituição das bases comerciais no continente europeu com a renascença carolíngia - o que ocorrerá somente no século IX e que marca a passagem do período de Alta Idade Média para Baixa Idade Média.

 

Tópico 1 – Características gerais da Idade Média

A Idade Média apresenta certas características gerais que se formaram desde seus primórdios. É um período em que a sociedade ocidental chega ao caos completo a partir da queda de Roma em 476 d.C., conquistada pelos bárbaros, e inicia um processo de reordenação em todos os setores da vida, nos levando à Idade Moderna e ao Renascimento.

Igreja de Santa Sofia_Constantinopla_Turquia_BDWebB
Igreja de Santa Sofia_Constantinopla_Turquia_BDWebB

Períodos da Idade Média

 

Consideramos que todo o período chamado genericamente de Idade Média tem como datas-limite:

  1. 476 d.C – Queda do Império Romano, tomada por bárbaros germânicos;

  2. 1.453 d.C – Queda da cidade de Constantinopla, tomada pelos turcos otomanos.

 

Divisão da Idade Média – Entre o século V ao século XIII

 

  1. Alta Idade Média – Século V ao século IX.

  • Século V – Queda de Roma.

  • Século IX – Início da Renascença Carolíngia.

 

  1. Baixa Idade Média

  • Século IX – Renascença Carolíngia

  • Século XIII – Declínio do feudalismo e início da Renascença.

 

  1. Fase de transição para a Idade Moderna - após o século XIII

  • Século XIII – Declínio do Feudalismo

  • Século XVI – início da Idade Moderna.

Uma afirmação e uma questão: e se não tivesse havido a Queda de Roma e a Idade Média? Onde estaríamos? Concorda ou discorda?

A organização de um feudo_BDWebB
A organização de um feudo_BDWebB

Economia de subsistência e transição para o capitalismo

A economia feudal era uma economia de subsistência. Plantava-se, cultivava-se ou produzia-se o que era imediatamente usado. Deste modo não havia produção de excedentes que pudessem ser negociados. Havia carência de gêneros alimentícios e de todos os demais bens artesanais industriais.

 

Os primeiros momentos de organização

Aos poucos, muito gradualmente, os habitantes que sobreviveram à fome, aos assaltos de bárbaros foram se organizando de forma defensiva e, ao mesmo tempo, buscando novos caminhos para sua sobrevivência, plantando, reordenando seus rebanhos em estábulos fechados, organizando as linhas defensivas das cidades, inclusive um exército que pudesse defendê-los.

As mulheres nobres na Idade Média_BDWebB
As mulheres nobres na Idade Média_BDWebB

A terra como um  bem básico: a sobrevivência como meta

No período da Alta Idade Média, pela carência de atividade econômica e falta de organização política, as precárias sociedades procuram apenas permanecer onde tem seu bem básico, a terra, o feudo, defendê-lo e sobreviver, face às condições de insegurança e agressividade do meio externo.

 

Que representou a Idade Média?

A Idade Média representa a passagem do estado feudal fragmentado, para os estados nacionais centralizados. Mesmo no período da Alta Idade Média, as lutas políticas demonstram esta tendência, principalmente no século IX, se analisarmos a trajetória de Carlos Magno.

 

Analise visualmente a Idade Média clicando no banner abaixo.

Camponeses na Idade Média_BDWebB
Camponeses na Idade Média_BDWebB

Os elementos e principais atores da sociedade feudal:estamentos

A passagem de um membro de um destes estamentos (estado em que cada membro de uma sociedade permanece) para o outro, como forma de ascensão social era quase impossível, principalmente entre camponeses e nobreza, o que traz para esta sociedade uma característica de profunda imobilidade social.

 

Encontramos três grupos divididos rigidamente:

  1. A nobreza.

  2. O clero.

  3. Os camponeses.

 

Do mesmo modo, havia um alto clero – filhos de família nobre ou burguesa – e um baixo clero: membros provenientes de camadas pobres da população.

Se pensarmos em diferentes povos e diferentes culturas, a evolução, da queda de Roma para a Idade Média foi igual em todos os lugares? Diferentes feudalismos por toda a Europa.

Cada região incorporou seus costumes ao modo de ser do sistema feudal, tendo por bases a terra e os bens de produção – moinhos, lagares para produção de óleo ou azeite, campos que precisavam ser protegidos como um bem pelo senhor feudal do local.

Cavaleiro com armadura de guerra_BDWebB
Cavaleiro com armadura de guerra_BDWebB

Diferenças entre feudalismos

É possível identificarmos diferenças características entre os diversos feudalismos na Europa: inglês, francês, italiano, alemão, ibérico, etc. Vários são os fatores culturais que irão contribuir para estas diferenças.

 

O sistema de vassalagem e os senhores da guerra

Entre estes fatores temos a adoção de certas instituições provindas de suas origens que serviram de base para a formação das sociedades medievais em seu modo de vida e em suas instituições.

 

Portão medieval_BDWebB
Portão medieval_BDWebB

Instituições daí derivadas

 

  • Influência da civilização romana – as “villas”, o “colonato” e o cristianismo, já implantado no Império Romano quando de sua derrocada.

 

Os romanos possuíam um sistema de organização social muito desenvolvido e hierarquicamente estabelecido. Porém, durante as invasões bárbaras nas terras do império, os grandes senhores romanos abandonavam as cidades, fugindo da crise econômica e das invasões bárbaras.

 

As villas

Estes grandes senhores estabeleciam-se em seus latifúndios no campo, onde passavam a desenvolver uma economia agrária voltada para a subsistência. Esses centros rurais eram conhecidos por vilas romanas, originando os feudos medievais.

 

O colonato

Homens menos desprovidos de posses, também se encaminhavam para os campos, onde havia alimentos e passavam a trabalhar para estes grandes senhores, iniciando deste modo o colonato, pagando diferentes taxas e parte da produção da terra. Esta foi a origem do sistema servil do período feudal.

Castelo de Salzburgo_Áustria
Castelo de Salzburgo_Áustria

 

 

 

 

 

 

 

Influência da cultura germânica – instituições como o “comitatus” e o direito consuetudinário.

 

Os bárbaros que invadiram o império em diferentes frentes eram povos nômades, voltados para atividades agropastoris. Viviam em tribos que eram autônomas, relacionando-se entre si mediante alianças, origem do sistema de vassalagem e sob direção de um chefe comum.

 

Este tipo de relacionamento era denominado “comitatus”, ou seja, as relações entre o chefe e seus guerreiros, baseadas em honra, lealdade e liberdade. Os guerreiros juravam lealdade ao chefe e os chefes bárbaros os e equipavam com cavalos e armaduras, sendo esta a origem da cavalaria medieval.

 

Como eram povos nômades, suas leis e costumes, ao contrário dos romanos, ia com eles onde estivessem. Não era a lei que imperava numa determinada terra ou região, era a lei que acompanhava o homem e sua tribo para onde se deslocassem.

 

Santiago de Compostela_BDWebB
Santiago de Compostela_BDWebB

Influência dos valores cristãos que são adotados pelos germânicos pouco a pouco.

 

O cristianismo teve um papel preponderante na organização da nova sociedade medieval pelas seguintes razões:

  • Já havia se tornado a religião oficial do império romano.

  • Estava organizada nas cidades em paróquias e na região rural em mosteiros.

  • Possuía valores cristãos que se tornaram universais ao serem adotados pelos povos bárbaros.

  • Em seus quadros tinham pessoas com capacidade política e administrativa, razão porque o imperador Constantino, em 336 d.C. a incorporou como religião oficial do império.

  • Mantinham a cultura e a educação greco-romana em seus mosteiros, o que significava que detinham as bases tecnológicas médicas, de engenharia, de matemática, de processos agrários, em suma, os conhecimentos da época.

Ruínas do castelo Dunluce - Irlanda_BDWebB
Ruínas do castelo Dunluce - Irlanda_BDWebB

As modificações do feudalismo na fase da Alta Idade Média


A Alta Idade Média vai do século V, logo após a queda de Roma, ao século IX, quando tem início Renascença Carolíngia, o período em que Carlos Magno é coroado imperador.

 

Diversos são os fatores que influenciaram este período:

  • As guerras contra bárbaros invasores e mesmo entre senhores feudais.

  • A destruição e as pestes que caracterizaram o primeiro período feudal pela fome e abandono das populações nas cidades.

  • O feudalismo também irá sofrer influência, em sua evolução, de invasões sofridas na Europa, ao longo do século VIII e que trouxeram para a Europa os muçulmanos, os magiares, os normandos e os eslavos.

Cavaleiro em torneio_BDWebB
Cavaleiro em torneio_BDWebB

As consequências dos problemas da primeira fase da Idade Média 

Se as dificuldades propiciadas pelas turbulências e guerras acrescidas às pestes que constantemente atacavam as populações e já eram um fator de desestruturação da organização social e equilíbrio entre os feudos, as invasões trouxeram um fator novo:

  • Uniam todos contra o invasor, mas aumentavam o isolamento das comunidades, pelo próprio sistema de defesa em áreas rurais.

  • Criavam problemas sérios de segurança, afetavam o comércio, faziam retornar a economia ao nível de mera sobrevivência.

  • E, principalmente, fragmentavam os poderes centrais, fossem quais fossem, em toda a Europa, pois o poder estava nas mãos dos senhores feudais, eminentemente agrários.

Noivado medieval num castelo_BDWebB
Noivado medieval num castelo_BDWebB

 

O papel e o poder do cristianismo

Esta situação terá seu apogeu nos séculos IX e X quando se cristalizará a sociedade feudal, rigidamente estabelecida entre nobreza, clero e servos.

 

Cristianismo e sua força imperial

Nesta fase, o cristianismo, com sua cultura teocêntrica, adquirirá força imperial suficiente para mediar conflitos entre as forças políticas que se digladiavam pelo poder, sejam feudos ou reinos que aí se formam. 

Tópico 3 – Baixa Idade Média

A segunda fase da Idade Média, chamada de Baixa Idade Média, se situa entre os séculos XI a XV, (1100 a 1500) quando se inicia um período de modificações que lentamente vai alterar a estrutura do feudalismo e nos fazer adentrar na Idade Moderna.

"War in Heaven"   France, c. 1320, Coleção Cloisters, New York City_BDWebB
"War in Heaven" France, c. 1320, Coleção Cloisters, New York City_BDWebB
Carlos Magno_BDWebB
Carlos Magno_BDWebB

A Importância de Carlos Magno

 

Um dos primeiros momentos de renascença cultural e econômica da Idade Média foi, sem dúvida, o império de Carlos Magno.

 

O Império de Carlos Magno foi constituído entre os anos de 771 e 814, a partir de várias guerras de conquista, anexando aos seus domínios grande parte da Europa central, a Itália do norte e do centro, ao território atual da França.

Coroação de Carlos Magno_BDWebB
Coroação de Carlos Magno_BDWebB

Carlos Magno e o Papa  

 

Ao acolher o Papa Leão III, Carlos Magno ajudou-o a se reinstalar no trono pontifício e, recebeu de Leão III o título de "Augusto, coroado por Deus, grande e pacífico imperador dos romanos". Um império ocidental era um sonho há muito acalentado na Europa, desde a queda de Roma em 476 d.C.

 

Seja por ter sido surpreendido por esta coroação enquanto rezava, seja por se ter encaminhado a se tornar o grande imperador do ocidente por suas conquistas, o fato é que Carlos Magno passa a ser reconhecido pela cristandade como Imperador do Ocidente.

O Império Carolíngeo_BDWebB
O Império Carolíngeo_BDWebB

O Império Carolíngio e a Idade Média

 

Durante o século IX, o governo forte de Carlos Magno propiciou, pela ordenação de seu império, um renascimento cultural e comercial de algumas cidades européias. Diversos são os fatores que podemos citar e que propiciaram este reaquecimento.

 

a) melhoria da produção agrícola;

b) melhor alimentação e saúde;

c) maior pressão demográfica com considerável aumento da população, já que com guerras e pestes, muitas regiões estavam abandonadas e, a partir deste renascimento tiveram suas atividades econômicas retomadas;

d) diminuição do banditismo e das invasões bárbaras;

e) sistema de arrecadação de impostos mais uniforme e melhor circulação de mercadorias e moedas/valores.

 

A população cresce cada vez mais

O aumento da pressão demográfica nesta época produz novas condições de produção e novas condições de vida que se iriam refletir nas cidades e nas atividades comerciais que cresceram bastante. Pouco a pouco tivemos:

  1. O restabelecimento e a ampliação das chamadas rotas comerciais oriente/ocidente.

  2. Especialmente, o aumento do comércio das cidades litorâneas e em todo o Mar Mediterrâneo.

A Idade Média e sua organização social

Para entendermos a importância de Carlos Magno, é preciso considerar o modo como as sociedades europeias se ordenaram a partir da queda de Roma, criando algumas instituições econômicas, jurídicas e sociais que iremos analisar.

A França feudal_BDWebB
A França feudal_BDWebB

    Que é um feudo?

O feudo pode ser considerado a unidade de produção deste período. Ao estudarmos o período feudal, devemos ter em mente que um "feudo" é uma posse de terra ou de um objeto ( uma moenda, por exemplo) sobre a qual seu dono cobra pelo uso.

 

Como na Idade Média tudo estava relacionado à terra, é sua posse que irá determinar o poder do senhor feudal.

 

    Feudo e taxações

A terra, as estradas, as criações, as plantações, os moinhos e lagares, as ferramentas, tudo fazia parte patrimônio do senhor feudal, tudo era considerado feudo e taxações eram cobradas aos usuários, em sua totalidade, os camponeses.

 

Mesmo as cidades, suas lojas e as feiras comerciais pagavam ao senhor feudal uma taxa para que pudessem estar ou usar o local que habitavam.

Planta de um castelo feudal_BDWebB
Planta de um castelo feudal_BDWebB

    Descrição de um feudo 

Basicamente, podemos considerar feudo um castelo ou burgo, uma vila ou aldeia, um celeiro, um açude, um moinho, pastagens e plantações comuns, além de uma área de feira ou de mercado.

 

     Onde se situava o feudo?

Normalmente era situado próximo a caminhos ou mesmo no entroncamento de estradas. Ao lado ou em torno do castelo eram construídas as pequenas casas que compunham a cidade nascente.

Propriedade feudal em torno de um castelo_BDWebB
Propriedade feudal em torno de um castelo_BDWebB

O surgimento das cidades e feiras

Na maioria dos casos, estes entroncamentos e cidades surgem em função dos feudos, e não os feudos em função delas, pois o senhor feudal se encarregava da segurança da população em torno, cobrando suas taxações por isto, taxações que a cidade pagava.

 

Regime de produção de um feudo - O regime de produção de um feudo pode ser estudado pela disposição de suas terras de plantio.

 

Propriedade feudal

  • Manso Senhorial - onde encontramos a produção do senhor feudal, normalmente as terras melhores e de mais fácil acesso.

 

  • Manso servil - local onde se dava a produção dos servos.

 

  • Divisão de áreas de plantio - Para que a terra arável se mantivesse em bom estado, as áreas de plantio eram divididas segundo as estações do ano, objetivando os alimentos de plantados na primavera e no outono – campos de plantio da primavera e de outono – e um campo de plantio que permanecia em repouso, alternando-se, ano após ano, com os outros dois campos de plantio mencionados.

 

Os servos da gleba_BDWebB
Os servos da gleba_BDWebB

      A vida dos servos da gleba

O servo da gleba, como era chamado, era uma pessoa que, durante o feudalismo, não dispunha de bens, assim como não dispunha de sua própria pessoa.

 

Pertencia à terra como um objeto qualquer. Como a terra pertencia ao senhor feudal, caso esta terra fosse transacionada com outro senhor feudal, ia com ela o servo. Não era um escravo, mas sua condição de dependência era extremamente pesada, pois sua pertença à terra e a descrição mais simples de sua vida nos faz perceber o quanto esta vida era dependente do senhor feudal e como era incerta.

 

Impossibilidade de ascensão social - Sua situação pode ser entendida pela descrição de suas vidas:

 

Fazenda medieval_BDWebB
Fazenda medieval_BDWebB

 

  • Condições de abrigo - Viviam em choupanas de barro e palha, solo nu e frio, onde a chuva inundava e enlameava e a neve gotejava. Móveis extremamente toscos, quando os havia, dormiam em palha.

 

 

  • Condições de trabalho - Trabalhavam de sol a sol e se alimentavam grosseiramente e, como eram arrendatários da terra, dela devendo tirar seu sustento, caso as colheitas fossem más, poderiam passar fome. Há relatos de casos em que morriam por inanição, pois deviam pagar os tributos ao senhor feudal.

 

 

  • Condições de segurança - Suas plantações podiam ser destruídas pela passagem de uma tropa de cavalaria do senhor feudal, seu gado requisitado como alimento de tropas e ele próprio incorporado ao exército do senhor feudal em caso de guerra, não dispondo, portanto, de sua pessoa.

Trabalho diário_BDWebB
Trabalho diário_BDWebB

Sistema de servidão e taxas obrigatórias- Seu sistema de servidão era cobrado a base de troca de serviço ou pagamento de obrigações em função de seu arrendamento. Desta forma, o servo da gleba devia pagar ao senhor feudal as seguintes taxas:

a) Capitação– um imposto pago por cabeça e que atingia somente os servos.

b) Banalidades – pagamento ao senhor feudal pelo uso de moinhos, açudes, lagares, ferramentas, forno de pão, tonéis para guardar de cerveja ou simplesmente pelo fato de morarem na vila.

c)  Talha  – entrega ao senhor feudal de 50% da produção de sua gleba (manso servil).

d)  Corvéia  – cultivo nos domínios do senhor, na construção ou reparação de estradas, construções, pontes, etc, para o feudo.

Tópico 4 - Os problemas do final da Idade Média

Os três fatores que mudaram a face da Idade Média:
A Grande Fome -1315 - 1317 Lista de todas as grandes fomes no mundo.
A Guerra dos cem anos - 1337 - 1453.
A peste bubônica:1348 -  25 milhões morrreram.

O século XIV irá apresentar um panorama dramático. As cidades e o campo, em função do aumento populacional e das feiras comerciais, estabeleceram um comércio interno em condições muito especiais: o camponês deixava de produzir para seu consumo a fim de produzir para gerar uma quantidade maior de excedentes.

Uma padaria medieval_BDWebB
Uma padaria medieval_BDWebB

As causas da Grande Fome

 

Este quadro foi tão dramático que , entre 1315 e 1317, caracterizou-se a primeira grande crise do século XIV: "A Grande Fome", e teve efeitos desastrosos.

 

As consequências da exaustão dos campos

Produzindo para atender ao mercado, gerando excedentes, os campos se exaurem, não produzem mais o suficiente para a cidade e para o povo das zonas rurais, gerando, cada vez mais fome.

 

Que fazem as pessoas das cidades?

As pessoas das cidades, desesperadas pela fome, se dirigem aos campos e, não havendo muito a fazer, destroem o pouco que existe e as próprias plantações.

 

As consequências do aumento de população e a fome

Devemos observar que a taxa de crescimento da população, já a partir do século X crescera exponencialmente com:

  1. As melhorias na alimentação, nas cidades e no campo, a partir da produção agrícola impulsionada pelas técnicas de produção desenvolvida nos mosteiros.

  2. Com a exploração de novas terras, pântanos foram drenados, e novas áreas provenientes de florestas, derrubadas para cultivo, aumentaram a possibilidade de produção o que, consequentemente, deveria atender à necessidade de alimentos nas cidades.

  3. O impulso dado pelas atividades comerciais de distribuição, deste modo, forçou demais os processos produtivos de alimentos, produzindo mais exaustão nos campos e, com isto, fome nas cidades.

Pergaminho medieval - Século XIV_BDWebB
Pergaminho medieval - Século XIV_BDWebB

O início do processo de fome

Com os campos exauridos, as colheitas péssimas e nenhum esquema de planejamento e de silos para guarda de grãos, especialmente trigo para feitura de pão, começa um processo de fome que se prolonga por, pelo menos, dois anos nas cidades.

 

Quantos anos uma pessoa vivia na Idade Média?

Temos de considerar que, na Idade Média, a vida média de uma pessoa era de 30 anos, as condições de saúde eram péssimas, de higiene eram sofríveis. A fome se espalhou e, com ela o desespero e a morte por inanição das camadas mais pobres da população.

A dança dos mortos_ilustração medievaql da época_BDWebB
A dança dos mortos_ilustração medievaql da época_BDWebB

Caos absoluto

 

Ao mesmo tempo, a população das cidades, tomada de desespero e fome migrou para os campos, invadindo-os em busca de alimento e causando um enorme tumulto com as seguintes consequências:

  • Despovoaram as cidades, conturbando o campo.

  • Como este despovoamento das cidades, destruíram o pouco que restava da estrutura administrativa das cidades, destruindo também o mercado nascente das cidades.

  • Impediram, portanto, com isto, a absorção dos gêneros produzidos pelo campo, criando uma situação de absoluto caos social, desastre e mortandade que vitimou milhões de habitantes na Europa.

Conseqüências da Grande Fome: menos pessoas, menos alimentos, menor demanda de produtos agrícolas.Observe o processo:

 > A população diminuiu com menos gente nascendo e mais gente morrendo.

 > Os gêneros alimentícios  escassearam e sofreram, inicialmente, uma alta acentuada de preços.

 >  Entretanto, não havia dinheiro ou quem comprasse o pouco que se produzia.

 >  A produção, mesmo pequena, estava além da escala ideal, já que 1/3 da população havia morrido.  

 >  Os preços, portanto, caíram, pois havia muito menos gente viva para comprá-los.

 

...E assim, ao final da Grande Fome, a vida recomeçou a seguir seu rumo na Europa da Idade Média.

 

Guerra dos cem anos_BDWebB
Guerra dos cem anos_BDWebB

Os efeitos da Grande Fome: Guerra dos 100 anos.


Aos efeitos da "Grande Fome" que se prolongou pelos anos subseqüentes, devemos considerar a guerra entre Inglaterra e França, A Guerra dos 100 anos, que durou de 1337 a 1453, e cujas conseqüências foram as seguintes:

  • Devastou o que restava da agricultura na França, Inglaterra e áreas limítrofes.

  • Destruiu rotas de comércio, especialmente a Rota de Champagne.

  • Desarticulou totalmente a economia centro-européia, pela continuidade de insegurança e problemas sociais produzidos.

 

Esta foi uma guerra em que ambos os lados lutavam pela centralização do poder e que, de certa forma, reordenou politicamente as relações entre os povos da Europa Central em relação à Inglaterra e à Roma.

Em todos estes séculos tivemos fome.  Na sua visão, qual a razão básica, a mais simples que você possa pensar?

 

Discuta com seus colegas e escreva sobre o tema, enviando ao seu professor ou debatendo em sala de aula.

Índice

  [esconder

As causas da Guerra

Tratou-se de uma guerra onde conceitos de feudalismo e da modernidade tecnológica para a época tornam-se aparentes e se confrontaram.

Joana Darc_BDWebB
Joana Darc_BDWebB

Causas da Guerra dos Cem Anos

A França pretendeu anexar Flandres ao seu território. Flandres era uma grande região comercial e importante centro de manufaturas têxteis, e por isso motivo de disputa pelos reis da França e Inglaterra durante a guerra dos cem anos

 

Como a Inglaterra era a maior fornecedora de matérias-primas, houve um inevitável choque de interesses.

 

Questões dinásticas, a partir da morte do rei francês, em 1328, colocaram o rei da Inglaterra, Eduardo III na linha de sucessão do trono francês. A nobreza francesa escolheu um descendente da linha Valois e, com o agravamento do choque de interesses, a guerra se iniciou em 1337.

 

Bombarda_BDWebB
Bombarda_BDWebB

A tecnologia da Guerra  

 

Ao longo do período de guerra, a Inglaterra invadiu a França e conquistou uma grande faixa de terra. A reação francesa viria no decorrer do tempo quando, a partir de 1435 o rei francês Carlos VII, após pacificar uma das famílias nobres, os borguinhões, que lutavam contra outra família nobre francesa, os armanhaques, tomou as seguintes providências:

  • Modernizou seus exércitos contratando mercenários.

  • Dotou o exército de uma artilharia com bombardas (uma espécie de canhão) o que representou um sério implemento tecnológico contra os castelos feudais na época.

Armas de fogo da época_BDWebB
Armas de fogo da época_BDWebB
  • Uniu o povo francês em torno de si, superando o particularismo feudalista, destruiu cavalarias, imprimindo um sentido moderno de nacionalismo à França.

  • Com este aparato, cerca de 70 castelos foram conquistados em menos de um ano e a vitória francesa foi, no ano de 1453, reconhecida pela Inglaterra.

Responda através de pesquisas no site mencionado abaixo:

RESPONDA:

 

1) Qual foi a principal causa da Guerra dos Cem Anos?

 

______________________________________________________________

______________________________________________________________

______________________________________________________________

______________________________________________________________

 

2) A Península Ibérica, até por volta do século VIII era ocupada pelos povos bárbaros. Também os nobres não eram tão unidos politicamente, mesmo assim eles se uniram na guerra da Reconquista. Quais foram os principais motivos?

 

______________________________________________________________

______________________________________________________________

______________________________________________________________

______________________________________________________________

 

Leia mais:

http://www.juliobattisti.com.br/tutoriais/adrienearaujo/historia015.asp

A peste negra

Rato e sua pulga, os transmissores da peste bubônica_BDWebB
Rato e sua pulga, os transmissores da peste bubônica_BDWebB

Peste bubônica

Neste contexto desastroso, entre os anos de 1347 a 1350, a Europa foi assolada pela "Peste Bubônica", trazida do Oriente por ratos contaminados, em navios, o terceiro fator de aprofundamento da crise do feudalismo.

 

A partir das péssimas condições de higiene das cidades, pelo grande volume de cadáveres insepultos, a doença transmitida por ratos que proliferavam no campo e nas cidades, a peste bubônica reduziu ao silêncio inúmeras cidades, matando 1/3 da população europeia, algo em torno de 75 milhões de pessoas.

Mortte em casa_Ilustração medieval_BDWebB
Mortte em casa_Ilustração medieval_BDWebB

Despovoamento da Europa

Esta mortandade causou o despovoamento da Europa. Não havia camponeses para os campos e, neste contexto, os servos estavam em situação de exigir inúmeras vantagens em troca de seu trabalho, entre elas, sua liberdade, comprada aos senhores feudais pelo dinheiro extra que ganhavam ou trocada por trabalho.

 

Rebeliões de camponeses

Em alguns feudos, os senhores feudais começaram a exigir maiores impostos e as relações de trabalho se agravaram, a produção diminuiu ao extremo e, em alguns casos, inúmeras rebeliões ocorreram - as "jacqueries" - o que modificou as relações de trabalho, de servidão para pagamento por arrendamento ou salário extra.

 

 

Um novo processo de reestruturação social e política se iniciou na Europa e adentramos a Idade Moderna.

 

 

Pesquise mais e responda:

a)    A peste negra atingiu a América e o Brasil ou foi só um fenômeno na Europa medieval?

b)   Qual a outra doença que atingiu o Brasil e matou, em todo o mundo, 20 milhões de pessoas?

c)   Como era a medicina na Idade Média?  Descreva para seus colegas.

Leia mais:

http://www.efecade.com.br/peste-negra/

 

http://www.issoebizarro.com/blog/materias-issoebizarro/bizarra-medicina-na-idade-media/

Roupas das damas e cavalheiros medievais_BDWebB
Roupas das damas e cavalheiros medievais_BDWebB

Exercício-Painel

Poderíamos dizer que as três causas que finalizaram a Idade Média tornaram-se interligadas e afetaram a Europa e parte do mundo, num processo semelhante ao que chamamos hoje de globalização?

Discuta com seus colegas e professor.


Envie ao seu professor por e-mail.

 

Entrar em Exercício-Painel 2


               Retornar à Área de Testes.